Sábado
23 de Fevereiro de 2019 - 
Responsabilidade e eficiência na defesa do seu direito

Controle de Processos

Esta funcionalidade permite ao cliente acompanhar o andamento do seu processo.

Newsletter

Cadastre aqui o seu e-mail e você receberá informativos do escritório.

Endereço

Av. Raja Gabaglia , 1011 , Sala 102
Luxemburgo
CEP: 30380-403
Belo Horizonte / MG
+55 (31) 93023166+55 (31) 32745697

Últimas notícias

08/02/2019 - 13h18TJMG entrega mais de 1 mil resultados de DNAExames foram realizados para o Mutirão Direito a Ter Pai

Resultados de DNA entregues à Defensoria Pública de MG definem a paternidade, ou não, de 1.150 filhos ou filhas Potencialmente mais de 1 mil filhos poderão saber quem são seus pais. O juiz auxiliar da Presidência do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Luiz Carlos Rezende e Santos, representando o presidente, desembargador Nelson Missias de Morais, e a responsável pelo Centro de Reconhecimento de Paternidade de Belo Horizonte, juíza Maria Luiza de Andrade Rangel Pires, entregaram simbolicamente resultados de exames de DNA realizados no Mutirão Direito a Ter Pai, de 2018, à Defensoria Pública de Minas Gerais. As informações foram entregues ao defensor público-geral do estado, Gério Patrocínio Soares, nesta sexta-feira, 8 de fevereiro. Para o mutirão, que está em sua 6ª edição, o TJMG ofereceu o pagamento de 1.150 exames para famílias cadastradas, em todo o Estado, em uma força-tarefa que englobou Belo Horizonte e mais 42 comarcas do interior. Na mobilização, foi feita coleta de sangue para a realização de exames, nos casos de investigação de paternidade, além de reconhecimentos espontâneos de paternidade e socioafetivos. O mutirão também possibilitou o reconhecimento da maternidade, naqueles casos em que a pessoa não tem o nome da mãe em seu registro de nascimento. Laços de afeto Na abertura do Mutirão, em novembro de 2018, o presidente Nelson Missias de Morais ressaltou a importância da iniciativa que “oferece a pais e filhos esse reencontro que não é mero ato formal, oficial. Trata-se, sim, de um ato que fortalecerá os laços de afeto, pois é resultado de manifestação voluntária das partes, e não uma imposição judicial”. O presidente do TJMG ressaltou que o CRP realiza esses reconhecimentos rotineiramente, mas “se desdobra, no mutirão, para dar as respostas que os cadastrados esperam”. Disse ainda que, diante do êxito da atuação do CRP nos processos de reconhecimento, a iniciativa será ampliada para comarcas do interior, associada à atuação dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscs) já instalados, que oferecerão a infraestrutura necessária. O defensor público-geral Gério Patrocínio Soares ressaltou a relevância da parceria com o TJMG para a realização do mutirão, dado o grande alcance social da iniciativa. “Não se trata apenas de um nome no registro de nascimento; o ato representa afeto, família, possibilidade de ter primos, tios, avós. Por isso, este mutirão é uma verdadeira festa da cidadania, em que se reconhece a família como base da sociedade”, disse. Saiba como funciona o CRP, em Belo Horizonte. Interiorização Na última quinta-feira, 7 de fevereiro, a comarca de Santa Luzia passou a contar com o Serviço de Reconhecimento de Paternidade (SRP). A instalação do serviço na comarca marca o início do processo de interiorização do CRP, com apoio dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) em Minas. Leia mais.  
08/02/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  64627
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.